domingo, 14 de julho de 2013

Oração Oficial da JMJ Rio 2013.


Há 10 dias para o início da nossa JMJ, necessitamos intensificar nossas orações por este nosso evento: 


Ó Pai, enviaste o Teu Filho Eterno para salvar o mundo e escolheste homens e mulheres para que, por Ele, com Ele e nEle, proclamassem a Boa-Nova a todas as nações. Concede as graças necessárias para que brilhe no rosto de todos os jovens a alegria de serem, pela força do Espírito, os evangelizadores de que a Igreja precisa no Terceiro Milênio.

Ó Cristo, Redentor da humanidade, Tua imagem de braços abertos no alto do Corcovado acolhe todos os povos. Em Tua oferta pascal, nos conduziste pelo Espírito Santo ao encontro filial com o Pai. Os jovens, que se alimentam da Eucaristia, Te ouvem na Palavra e Te encontram no irmão, necessitam de Tua infinita misericórdia para percorrer os caminhos do mundo como discípulos-missionários da nova evangelização.

Ó Espírito Santo, Amor do Pai e do Filho, com o esplendor da Tua Verdade e com o fogo do Teu Amor, envia Tua Luz sobre todos os jovens para que, impulsionados pela Jornada Mundial da Juventude, levem aos quatro cantos do mundo a fé, a esperança e a caridade, tornando-se grandes construtores da cultura da vida e da paz e os protagonistas de um mundo novo.


Amém!

sexta-feira, 12 de julho de 2013

15º Domingo do Tempo Comum C.

Informações básicas:
- O Bom Samaritano.
- Oração – a luz da verdade para ser cristão.
- 1ª Leitura Dt 30, 10-14; Sl 68; Cl 1, 15-20; Lc 10, 25-37.

“Quem é o meu próximo?”


                EXPLICAR O SENTIDO DOS TRÊS SINAIS DA CRUZ E O SIGNIFICADO COM A 1ª LEITURA.
Ø  Pedimos a Deus que a força da mensagem de Cristo penetre a nossa mente, a nossa palavra e a nossa vida. Que Ele ilumine a nossa inteligência para compreendermos bem a sua mensagem; que possamos professar a nossa fé, por nossas palavras e agir de acordo com ela.

Todo mandamento da Lei de Deus é embasado no Amor. E tem como sua plenitude o Amor. Percebemos que cumprir os mandamentos de Deus está ao alcance de todo homem, se assim o desejar (1ª. Leitura). Pois, todos somos capazes de amar.
Hoje, um mestre da Lei faz uma pergunta a Jesus.  A resposta é óbvia: para alcançar a vida eterna é preciso amar a Deus e amar o próximo. Assim, o Evangelho sugere que essa vida plena não está no cumprimento de determinados ritos. O mestre da lei queria restringir o conceito de próximo, amar somente os seus, Jesus alarga a sua visão mostrando que o próximo é aquele que ama e é amado, amor efetivo e afetivo, que é ir ao encontro da necessidade do próximo. O “próximo” é qualquer um que necessita de nós, seja amigo ou inimigo, conhecido ou desconhecido, compatriota ou de outra nacionalidade qualquer. Como exemplo, apresenta-se a figura de um samaritano – um herege, um infiel, segundo os padrões judaicos, mas que é capaz de deixar tudo para estender a mão a um irmão caído na beira da estrada. “Vai e faz o mesmo” – diz Jesus a cada um dos que o querem seguir no caminho da vida plena.
Neste gesto do samaritano, a Igreja de todos os tempos (a comunidade dos que caminham ao encontro da vida plena, da salvação) reconhece um aspecto fundamental da sua missão: a de levantar todos os homens e mulheres caídos nos caminhos da vida. Quando amamos verdadeiramente, nos identificamos  com os outros, pois somos todos iguais, e vemos no outro o Cristo, pois é o primogênito de toda a Criação, a imagem de Deus que se faz carne, assim cumprimos toda a lei, pois amando o próximo aprendemos a amar a Deus a quem não vemos, essa é a humildade que nos ajuda a buscar verdadeiramente a Deus.



Dicas de homilia: Padre Micael de Moraes http://esquemasdehomilias.blogspot.com.br/

Comentários da Conferência  Episcopal Portuguesa: http://www.ecclesia.pt/cgi-bin/comentario.pl?id=698


segunda-feira, 8 de julho de 2013

Conheça o Papa Francisco (em 4 minutos).



Este é um pequeno vídeo de um desenho animado (de 4:00 minutos). É um um projeto que alguns artistas gráficos  de Roma,  feito com o intuito de divulgar, de maneira criativa, a história do Papa Francisco. I vídeo foi feito em 15 línguas. Vale à pena assistir! 

sexta-feira, 5 de julho de 2013

Papa Francisco superou os sete milhões de seguidores em sua conta do Twitter.


O papa Francisco superou os sete milhões de seguidores em sua conta do Twitter (@pontifex), informou nesta terça-feira o Vaticano. Desses, mais de 2,7 milhões seguem a página em espanhol, idioma nativo do pontífice e que tem o maior número de seguidores.

A conta @pontifex foi aberta por Bento XVI no dia 12 de dezembro de 2012, para tratar principalmente dos conteúdos dos discursos do pontífice nas missas dominicais, das homílias e de suas reações a temas de projeção internacional. Durante o conclave que elegeu Bergoglio o novo papa, o perfil ficou desativado, sendo retomado posteriormente por Francisco. A página pode ser acompanhada em nove idiomas: inglês, português, alemão, árabe, espanhol, francês, italiano e polonês, além do latim.


Atualmente, o número de seguidores do pontífice que falam espanhol ultrapassa os 2 736 800. O inglês é o segundo idioma com maior número de usuários, 2 637 600, seguido do italiano (859 000), do português (424 400), do francês (153 400), do latim (119 000), do alemão (115 100), do polonês (96 700) e do árabe (68 200). O papa Francisco se comunica quase diariamente com os fiéis através da rede social.

Carta Aberta do Comitê Organizador Local da JMJ Rio – 2013.


Prezadas irmãs, Prezados irmãos, Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo!

Em nome de todos os que diretamente estão envolvidos na preparação da Jornada Mundial da Juventude (JMJ Rio2013), em nome dos que, genericamente, somos conhecidos como COL, Comitê Organizador Local, venho agradecer as participações fraternas que temos recebido em virtude de algumas escolhas feitas em relação a pontos específicos do grande conjunto que é a Jornada.
Ficamos alegres com o testemunho de zelo pelo Evangelho, com o decidido amor pela Igreja e com a preocupação com o risco de se profanar o que é sagrado. Partilhamos destas preocupações. Quem está diretamente envolvido nos planejamentos e nas opções, nem sempre consegue distanciamento necessário.
Graças a Deus, não estamos sozinhos. Temos nossos bispos. Temos o diálogo sincero, fraterno e eclesial com o Pontifício Conselho para os Leigos, organismo responsável, por parte da Santa Sé, na organização da Jornada. Temos os amigos que caminham conosco desde o início da preparação da Jornada. Temos assessorias não apenas técnicas, mas também pastorais. Temos, enfim e em meio a tudo isso, a graça de Deus a nos guiar.
Sabemos que, o atual momento da história humana é marcado por forte pluralismo, onde a variedade de modos de pensar e existir é fator, ao mesmo tempo, instigante e assustador. Sabemos também que, exatamente por ser um contexto profundamente plural, todos nós corremos o risco de considerar que nosso ponto de vista é o único. Isto vale para qualquer um que esteja vivo nestes dias em que tudo é tão diversificado, em que as posturas, opções e ações podem seguir Deus sabe lá quantos rumos.
O fato é que, a cada momento, somos chamados a fazer escolhas. E, ao preparar a Jornada, temos feito muitas escolhas. Estamos cientes de que outras pessoas fariam opções diferentes e que as nossas não são capazes de agradar a todos. Na verdade, nenhuma escolha o é.
Ao escolher, buscamos equilibrar, por um lado, o cuidado pela fidelidade ao Evangelho, e, por outro, a responsabilidade missionária. Na humana dificuldade por atingir o perfeito equilíbrio, seguimos o lema da JMJ Rio 2013, na direção da responsabilidade missionária, pois estamos certos de que os que já encontraram o Senhor são chamados a humildemente se curvar na direção dos que ainda não O encontraram. Os servos são chamados a seguir seu Senhor, que, “sendo rico, se fez pobre para a todos enriquecer.” (cf 2 Cor 8,9). À semelhança de seu Senhor, os servos não temem sair em busca de todos. Eles sabem que não podem se fechar em si mesmos (cf Filip 2,5ss). Quando nos fechamos em nossas particularidades, esquecemo-nos de que um dos nossos maiores testemunhos é exatamente a unidade. A intolerância ofusca o fascínio do Evangelho.
Quando olhamos para os patronos e intercessores da Jornada, lembramo-nos de que eles foram escolhidos porque, no seu tempo, encontraram grandes desafios para levar o Evangelho aos que ainda o desconheciam. Estes jovens santos mostraram, com suas vidas, o amor e a compaixão para com os que ainda precisam acordar para verdadeira felicidade.
A Jornada não exaure o conjunto de ações da Igreja com os jovens. Ela desperta os jovens para Jesus Cristo e desperta a Igreja, ainda mais, para os jovens. A Jornada Mundial da Juventude não se resume aos atos centrais, embora estes sejam o que mais se conhece e, por isso mesmo, os mais focalizados. Viver a Jornada exige participar de todo o seu conjunto na certeza de que um evento só será bem compreendido se vivido no conjunto dos demais.
Não julgamos quem quer que seja, pois nós mesmos nos consideramos pecadores, os primeiros a suplicar a misericórdia divina. Neste sentido, reiteramos o agradecimento pela preocupação com a Jornada e convidamos a estar conosco.

Monsenhor Joel
secretário executivo da JMJ Rio2013.


Solenidade de São Pedro e São Paulo

Formações básicas:
- O Martírio de São Pedro e São Paulo
- Oração –  Seguir os ensinamentos de São Pedro e São Paulo
- Leituras: At 12, 1-11; Sl 33; 2 Tm 4, 6-8.17-18; Mt 16, 13-19.


"Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja!"

Na Solenidade de hoje, temos um texto evangélico similar ao que foi meditado no ultimo domingo (23-06). Porém, diferentemente, hoje somos chamados a meditar na profissão de fé do apóstolo Pedro.  Ele é Pedra pela proclamação de sua fé! Mas como podemos separar a fé da pessoa que a proclama? Por isso, Pedro se torna a Pedra da Igreja de Cristo, porque dá testemunho público de Jesus é Deus e homem.
Pedro foi o primeiro a proclamar a fé, e juntamente com Paulo que completa a corrida e guarda a fé, tornam-se esteio (coluna de sustentação) da Igreja de Cristo. Esse esteio não é somente pela proclamação, mas, pela vida: um pela cruz e o outro pela espada, testemunham (martyria) que Jesus é Deus.
Contudo, em nossa religião, o que consiste este termo: martírio? Segundo Santo Agostinho: “Não é a morte que, por si só, faz o mártir, mas a causa pela qual a pessoa for morta”. “Martírio” é a ação de quem sofre e dá testemunho da verdade cristã, marcada com o sangue, que alcança o sacrifício da própria vida. Qualquer homem ou mulher, e mesmo as crianças, podem ser mártires, diante de um sofrimento em que são triturados e são identificados com o Cristo, que é o “Mártir dos mártires”. O martírio cristão é uma experiência mística, a primeira atestada na história da Igreja e a primeira forma de santidade a ser venerada nela. 
A exemplo de Cristo, todo cristão é chamado a vivenciar o martírio. Seja ele cruento (derramando o sangue) ou branco (abraçando o sofrimento na vida). Entretanto, devido a nossa falta de fé que nos impede de resistirmos até o sangue na luta contra o pecado (cf. Hb. 12,4) nós o tememos em demasia. Necessitamos ter uma fé como a de Pedro e Paulo, e fazer de nossa vida um contínuo testemunho de que Jesus é Senhor.
Que esse martírio desses dois apóstolos nos seja hoje fecundo e possa levar a Igreja Católica hoje a testemunhar Jesus como o Filho de Deus, e todos possam bendizer verdadeiramente o nome de Deus. 

Fontes:
Dicas de homilia: Padre Micael de Moraes http://esquemasdehomilias.blogspot.com.br/


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...